Novidades

22 de fevereiro de 2016

O Paraíso Logo Ali



Estávamos todos de férias  e por isso resolvemos fazer um programa diferenciado , estávamos a fim de acampar próximo as fazendas  da cidade no meio da mata (Eu ,  Penny  , Francis e Tyler) estávamos todos muito animados , já que estaríamos sozinhos , literalmente sozinhos e longe da civilização ninguém iria nos incomodar . A viagem foi tranquila, chegamos próximo a um local onde era impossível acessar de carro então o largamos e pegamos uma trilha seguindo a pé, o sol estava intenso e o cansaço era inevitável paramos muitas vezes no caminho para nos refrescarmos e descansarmos, porem sabíamos que se escurecesse seria impossível andar pela trilha, já que ficaria perigoso o contato com animais selvagens e correríamos o risco de nos perdermos . O céu começara a escurecer, por pararmos muito estávamos bem longe do local onde desejaríamos chegar, tive então a ideia de arrumamos o acampamento no local em que estávamos sendo que seria impossível prosseguir na mata a noite. Arrumamos tudo com devido cuidado e acendemos então uma fogueira, ficamos ali contanto historias de todos os tipos enquanto tomávamos algumas bebidas , Francis e Amanda começaram a se pegar e foram para uma das barracas , sobrando apenas eu , Tyler e Penny , estávamos sem sono e não tínhamos hora para dormir , após alguns instantes resolvemos dormir pelo frio que estava no local e o quanto antes saíssemos dali mais cedo chegaríamos e teríamos mais tempo para aproveitar o camping. No meio da noite alguns barulhos me incomodaram e também acordou Tyler, notamos que alguma coisa rodeava as barracas com medo ficamos quietos dentro das mesmas a fim de não sermos pegos por nenhum predador, ate que o tempo passou e meu sono foi embora , Tyler provavelmente adormeceu pois não me respondia , olhei o relógio e marcava 3 da manha , notei que ventava muito, foi  quando escutei algumas vozes vindas do lado de fora , pensei quem poderia ser , ate pensei ser algumas das meninas só que Penny estava na mesma barraca que eu e Amanda por ser medrosa jamais sairia de sua barraca naquela escuridão , a conversa intensificou e pude entender algumas palavras algo como “ o paraíso e logo ali “ fiquei com aquilo na cabeça , tentei chamar Tyler porem o cara dormia como uma pedra , o barulho parou e resolvi deixar de lado . Na manha seguinte notamos alguns rastros e pegadas próximas as barracas e alguns lixos revirados, parecia de fato que alguém passara ali, lembrei das vozes e contei para todos que me ignoraram. Já em uma parte da trilha notamos um rastro de sangue que nos deixou aflitos , seguimos e a medida que andávamos o rastro aumentava , resolvemos apertar o passo até notarmos uma placa onde nela estava escrito “ O Paraíso e logo ali “ lembrei imediatamente da voz da madrugada , ignoramos a placa e seguimos caminho . Ao chegar em nosso destino final arrumamos tudo e resolvemos nos divertir de varias formas , foram dois dias incríveis naquele local , porem os mantimentos tinham acabado e teríamos de partir , pegamos estrada. No caminho novamente o rastro de sangue que estava fresco o que era ainda mais estranho , por curiosidade resolvemos seguir este rastro até que chegamos a misteriosa placa “ O paraíso e logo ali “ as meninas estavam morrendo de medo , e confesso que também estava , porem a curiosidade era maior , Tyler então falou que iríamos ate uma pequena parte e voltaríamos , trato feito , a medida que avançávamos as coisas ficavam ainda mais estranhas notamos que alem de rastros de sangue , tufos de cabelo estavam no caminho , por um instante pensamos em parar , porem agora era inevitável não seguir a curiosidade havia tomado conta de nossas mentes e não tínhamos mais controlo de nossos corpos, caminhávamos como marionetes guiadas por algo muito forte . 





Chegamos a um local onde partes humanas estavam jogadas para todo canto em uma espécie de gruta isolada e um canto chamava atenção total com uma placa escrito “ O paraíso e logo ali “ apontando para dentro da caverna , a força nos guiava para dentro deste lugar a agonia que sentia era inexplicável, sentia que aquilo ali era a pior forma de dor. A partir desse ponto não me recordo do que aconteceu , creio que estamos mortos , não reconheço este lugar e não sinto dor alguma exceto emocional , meus amigos nunca mais vi , e se quer alguém conhecido , consigo escutar as preces dos que rezam por mim porem não consigo responder e isso muito me aflige, a dor incomoda, parece rasgar minha pele " ahhh o paraíso " , queria que fosse verdade uma vez rasgada não teria mais o que rasgar, porem não rasga nada e apenas dor “ PAIN ! PAIN ! PAIN ! CRY ! CRY ! CRY ! CRY ! “ essa e a melodia mais tocada aqui,  dor seguido de sádicas risadas e um leve humor , estriparam Tyler vivo , como eu sei ? Eu vi tudo, o abriram e arrancaram as vísceras, não sei se estou morto não sei qual plano eles tem para mim, não sei o que esta acontecendo , apenas vejo um clarão a cada mais ou menos  uma hora , e um ser me visita gostaria que não acontecesse . 





O tempo não passa, hoje vi minha mãe, não sei bem se era ela, porem vi uma pessoa e esta visão me confortou de certa forma, espero que não esteja neste tal paraíso como eu, Penny morreu , fui obrigado a assistir tudo a um tempo atrás, foi uma espécie de sacrifício nessa hora a trilha sonora era  ... Peque um pedaço de carne e tente a cortar com uma faca cega...  Francis não sabe o que aconteceu com ele, desmaiou antes mesmo de tudo isso acontecer, porem escuto seu grito em algum lugar, um grito de piedade e socorro. Preciso de ajuda, alguém? Venha para o paraíso e tenham muito cuidado! O paraíso e logo ai! Talvez esteja me perguntando, e a tal Amanda? Amanda ? Que Amanda ? 

Se copiar colocar devidos créditos , obrigado !

Ass : Ghostfacer GM ( Glaucow M Freitas )