Novidades

25 de outubro de 2017

A Trágica história de Vladimir Komarov



Os detalhes estão na obra "Starman The Truth behind the Legend of Yuri Gagarin" (Homem das Estrelas: A Verdade por Trás da Lenda de Yuri Gararin), de Piers Bizony e Jamie Doran. O livro se baseia nos relatos do analista de segurança nacional Perry Fellwock, que atesta que o posto norte-americano de escuta na Turquia ouviu os gritos de raiva de Komarov no dia do desastre da missão Soyuz 1, em 24 de abril de 1967.

Há muitos muitos anos atrás dois cosmonautas russos, conheceram-se e tornaram-se bons amigos, eles eram Yuri e Vladimir. Tudo corria bem até que um dia, o líder da URSS, Leonid Brejnev, decidiu que seria boa ideia, encenar um encontro entre duas naves espaciais soviéticas, no espaço. A ideia era mostrar aos americanos como se faziam voos espaciais. Assim a Soyuz I iria levar um cosmonauta para órbita perto da Terra e uma segunda nave espacial seria lançada com outro cosmonauta a bordo. Os dois homens iriam trocar de lugar e o primeiro cosmonauta iria voltar à Terra na nave do segundo cosmonauta.

O que poderia correr mal?
Tudo.

Destroços da Soyuz I

Vários técnicos inspeccionaram a Soyuz I antes do lançamento e encontraram nada mais que 203 problemas estruturais. Claramente, a missão devia ser adiada, pois a probabilidade do cosmonauta regressar vivo eram ínfimas. O escolhido para a malfadada missão foi Vladimir e o seu amigo Yuri foi escolhido para suplente. Não querendo ver o seu amigo morrer, Yuri escreveu um memorando de 10 páginas para Brezhnev e deu a um amigo no KGB. Yuri era um tesouro nacional, uma celebridade, certamente que aqueles que possuíam poder iam ouvir as suas preocupações. Mas o memorando nunca chegou a Brezhnev. Ninguém queria ser o mensageiro das más notícias. Como Krulwich observa: “Toda a gente que viu esse memorando … foi despromovido, demitido, ou enviado para a Sibéria.” Incluindo o agente da KGB (Russayev) que tentou transmitir o memorando de Yuri. Russayev, perguntou a Vladimir porque não se recusava a realizar a missão. Ao que Vladimir respondeu: que se ele se afastasse, o seu substituto seria lançado para uma morte quase certa e que esse suplente era o seu grande amigo Yuri. “Ele vai morrer em vez de mim”, disse ele. “Nós temos que cuidar dele.” E dito isto, explodiu em lágrimas, sabendo que assim estava a sacrificar-se a si mesmo.




Yuri Gagarin e Vladmir Komarov


Descida para a morte

A missão não foi fácil desde o seu lançamento do Cazaquistão, no dia 23 de abril de 1967. Mais tarde, a situação piorou, com quase todos os principais sistemas sem respostas. Em sua descida à Terra, Komarov não tinha controle aparente sobre seu voo e partiu para a morte certa em Oblast de Oremburgo, na Rússia. Tornou-se o primeiro homem a morrer a bordo de uma missão espacial. Em sua descida, amaldiçoou seus chefes por mandá-lo para esta missão.

Yuri Gagarin, que certamente não se recuperou da perda do melhor amigo, morreu no ano seguinte, em um acidente de avião, em 27 de março de 1968.
Aparentemente Yuri apareceu naquele dia fatídico, de 23 de Abril de 1967, e exigiu ser ele a realizar o voo, mas foi recusado. O lançamento ocorreu de acordo com o planeado, com Vladimir bordo. De facto as várias avarias mostraram-se fatais. Krulwich escreveu:

“Assim, há um astronauta no espaço, girando à volta da Terra, convencido de que nunca vai conseguir voltar a Terra. Vladimir está ao telefone com Alexsei Kosygin – um alto funcionário da União Soviética – que também está a chorar porque, também ele, acha que o cosmonauta Vladimir vai morrer. O veículo espacial pobremente construído, está a ficar perigosamente sem combustível e o pára-quedas não funciona, o cosmonauta … está prestes a, literalmente, despenhar-se a toda a velocidade contra a terra, enquanto o seu corpo derrete com o impacto. Enquanto ele dirige-se para o sacrifício, os postos de escuta dos EUA, na Turquia ouvem-no chorar de raiva, amaldiçoando aqueles que o colocaram dentro daquela terrível nave espacial. ”


Tudo o que sobrou de Vladimir Komarov foi um osso do calcanhar e uma massa de restos calcinados. Mesmo assim, o funeral de Estado foi de caixão aberto (como se pode ver pela foto).


Ultima transmissão realizada por Komarov abordo da Soyuz I, na transmissão ele amaldiçoa todos seus superiores que o colocaram para a missão suicida. 



Documentário Russo mostrando o exato momento do impacto. 




FONTES: 
https://seuhistory.com/noticias/analista-dos-eua-revela-como-cosmonauta-xingou-superiores-antes-de-morrer-em-missao-em-1967
http://www.astropt.org/2011/03/28/a-tragica-historia-de-vladimir-komarov/